A prova de que o mundo realmente é louco